sábado, 8 de maio de 2010

Cabelo, cabeleira, cabeluda...

Rogéria, Maria e Altamiro saem para tomar cerveja num barzinho conhecido da cidade. São servidos por uma mulher de cabelos muito compridos, cujos fios dão uma ligeira espanada na mesa e, consequentemente, nos copos. Altamiro não gosta do que vê, e chama a atenção da mulher de modus severus. Sem nada dizer, ela tira do bolso um prendedor e se ajeita. Ele comenta com Rogéria e Maria o absurdo da situação, as duas concordam, e a noite prossegue sem maiores atropelos. Na hora de pagar a conta, outra garçonete vem atendê-los. Cada um contribuiu com sua parte e a mocinha diz que vai pegar o troco com a dona, que é a... Alguém se habilita a palpitar? Sim, a mulher do cabelo espanador de mesa! Mesmo sabendo que tinha razão de reclamar, Altamiro sai de cena ressabiado, seguido por Rogéria e Maria. Mas onde é que já se viu atender mesa com o cabelo comprido solto?

5 comentários:

Ana B. disse...

a dona do empreendimento tem q ser a primeira a dar exemplo

=p

altamiro tinha razão, há!

vida cotidiana disse...

Conto ou verdade? De qualquer forma Altamiro está correto... Cabelo espanador?

Eraldo Paulino disse...

É como você mesma diz:"coisas e coisas!

Bjs!

maybe disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

Alline disse...

Ana:
Tás muito certa. Altamiro é o cara. =)

Beijo!

Ana:
É verdade, aconteceu com minha mãe e um casal de amigos dela. Só não contei o nome do bar aqui de Floripa pra não criar caso.
Cabelo espanador é aquele que dá uma passada/limpada em tudo que tá sobre a mesa... eca!

Eraldo:
Esse é o objetivo. Contar coisas e... coisas. ;)
Beeeeeeeijo!

Maybe:
I will. Thanks!!!