segunda-feira, 8 de junho de 2009

do ponto

Três moças estão descendo do ônibus, rindo e fazendo bagunça. Uma delas dá um passo em falso e cai como um saco de batatas quase na minha frente. Antes que eu consiga estender o braço para fazer a boa ação do dia, ela já está de pé mancando e começa a rir, não sei se pela graça da situação - que graça? - ou porque está sem jeito e não sabe como agir. Uma senhora olha para outra e declara cheia de razão que às vezes uma "torcela" é bem pior do que uma "quebradura". Diante de comentário tão sábio eu me reservo o direito de permanecer calada.

3 comentários:

Haline disse...

eu acho graça qdo eu caio (e nao me machuco), só não acho graça qdo os outros caem. dai nao acho mesmo. ia dizer, mas não sei como vim parar aqui nao viu. to lendo ai. bjobjo

Vladimir disse...

Alline,
Realmente estavam falando outro idioma!
Bjs, Vladimir

Alline disse...

Haline:
Eu já perdi as contas de quantas vezes me esparramei pelo chão: na entrada do prédio, na porta do trabalho, na praça, numa rua megamovimentada, etc. Em alguns eu ri muito; em outros tive vontade de correr pra ninguém me ver. Graça de verdade não tem, por isso acho que a menina riu de nervosa que tava.
Brigada pela visita! Beeeeeeeeijo

Vladimir:
Encarei como um neologismo divertidinho. ;)