domingo, 5 de julho de 2009

se fosse antigamente

Uma mulher me ligou esses dias:
- Bom dia. Eu gostaria de falar com a Alline...
Eu, que não sou de esticar conversa quando sinto cheiro de vendedor na área, me identifiquei e esperei a deixa para dizer adeus. Mas não, a pessoa do outro lado não queria me vender nada, ainda bem! Seu objetivo era apenas descobrir se eu conhecia e tinha o telefone de uma Leila, que é minha vizinha. Leila? Minha vizinha? Não conheço nenhuma Leila aqui no prédio... Ah, não é daqui, mas do prédio do outro lado da rua? Como eu vou saber? Como vou conhecer essa Leila do número tal da minha rua? Se fosse antigamente, quando eu morava numa casa cercada de outras casas e tinha amizade com todo mundo e frequentava a casa de todo mundo, haveria grandes chances de eu até ser amiga da Leila. Hoje... Desculpe. Fica pruma próxima.

2 comentários:

Vladimir disse...

Alline, você ao menos conhece as pessoas do seu prédio. E eu que não sei o nome nem do meu vizinho de porta!

Bjs, Vladimir
http://cantodovladimir.zip.net

Alline disse...

O da porta ao lado eu não conheço mesmo, porque mora aqui há pouco tempo, mas os de outros andares conheço, cumprimento, troco beijinhos e dou aquele fofocada básica. No seu caso é falta de oportunidade ou as pessoas não estão interessadas em socializar?