quinta-feira, 7 de abril de 2011

quarenta

OBSCENOS


Não sei se por carência ou vingança, mas assim que largou Renan, Letícia me convidou para morar com ela em um dos apartamentos do pai. Fui, com meu violão e umas poucas mudas de roupa. Por que não?

Um mês depois Renan conseguiu descobrir onde eu estava.
- O que você está fazendo aqui?
Ele muito calmo:
- Já que você não atende mais o celular eu vim atrás de você.
Ali estava eu de meia, calcinha e camiseta na frente do ex-marido da minha... minha o que quer que fosse. Teria fechado a porta na cara dele se ele não tivesse colocado metade do corpo para dentro. Ele avançou sobre mim:
- Por que não me contou que estava com ela?
- Eu não estou com ela... não como você pensa.
- Vocês não estão transando?
Que pergunta!
- Às vezes, mas isso te não interessa.
Eu nunca teria ido atrás, não sentia necessidade da presença dele como acontecia com Bernardo. Mas era ele se aproximar para eu me lembrar das coisas que ele era capaz de fazer comigo e desejar mais.
- E o que ela faz você sentir?
Fiquei contra a parede. A mão me tocou por cima da calcinha.
- Eu não vou falar.
A mão começou a se movimentar. Pequenos círculos ao redor do clitóris.
- É assim que ela faz no teu grelinho?
- Não é assim, é...
Com a outra mão segurou meu rosto, que desapareceu entre os dedos dele. Dedos grandes que cruzaram a fronteira da lycra e sumiram entre meus pelos. Se me bastava aquela masturbação frenética? Não mais. Já que ele me fez quebrar a promessa que fiz a Letícia... amoleci com os três dedos que cercavam a abertura do meu sexo e queriam se enfiar, todos de uma vez. Não tinha onde me agarrar, peguei no pau dele, abri o jeans, puxei, tirei o pau para fora de uma vez.
Fiquei de joelhos diante dele, o pau bem diante da boca. Abri para recebê-lo, ele balançou, roçou-o em meus lábios, em todo o rosto para me deixar com mais vontade.
- Me dá...
A submissa.
- Você quer meu pau?
Eu não tinha força para lutar.
- Quero...
- Onde você quer? Na boca, no cu ou na buceta?
Renan se masturbava para mim. Com o movimento às vezes tocava a ponta do pau na minha boca. Eu ia enlouquecer se não o sentisse.
- Onde você quiser. Por favor...
Ele quis do jeito dele. Não sei se deveria dizer que ele me comeu, me fodeu ou transou comigo. Foi de pé, eu com uma perna levantada que ele segurava, eu esmagava contra a parede. Foi de quatro em cima da mesinha da sala. Dupla e inesperada penetração da qual nem tive medo. Rebolei e o dedo também me deu prazeres indizíveis. E aquela loucura toda só acabou porque ele me segurou em seu colo e me trouxe tão para perto que não aguentei o atrito e me larguei em seus braços gozando e me contorcendo.

Fomos embora logo depois de tomar uma chuveirada. Ele queria hambúrger, mas o convenci a comer pizza. Já tinha cedido muito por um dia.


8 comentários:

El Brujo disse...

É melhor mesmo uma pizza depois de piçar... Fez muito bem em se impor, carne depois de levar piça, não cai bem!
Agora, faltou dizer qual a cobertura se mozzarella, calabresa.
Quem parte e reparte fica com a melhor parte, ela ficou com o melhor os dois.

A Mina do cara! disse...

Tem nem o que falar né...

(agora você está na lista dos blogs que pedem permissão para entrar... A Nina ta demais hein...)

beijos e ótimo fim de semana!

Luna Sanchez disse...

Isso, Nina, isso mesmo : ficar com a decisão sobre a comida (o alimento, quero dizer) pode caber melhor a nós mulheres. Já em relação a forma de ser comida, deixemos para os homens das nossas vidas...ahahahahaha

Adoro, Li, adoro! =)

Beijos enormes!

Eder Asa disse...

Ai, arrependi de ter demorado tanto a vir ler...
Agora fiquei com vontade rs

Eraldo Paulino disse...

Se fosse eu nem faria muita onda. Eu comendo no final, ainda mais a Nina... ui!


Bjs!

Os brejos ao redor de minha alma agreste... disse...

ai ai aii!!!!!
simplesmente uiii!
o q dizer hein?
El brujo disse bem: "Quem parte e reparte fica com a melhor parte, ela ficou com o melhor os dois."
adooooroo!
bjos Alline e Nina!
Rita

Alline disse...

De novo Nina fez o que quis. Renan marcou, mas não veio para ficar. De uma pizza acho que eles não passam.

Beijos gerais! rs
;)

El Brujo - Rock disse...

Como não gostar dos próprios pés pra Ali?

Se você vai, Ali, são eles que te levam, eles te fazem pisar firme e caminhar em frente, lembra que no passado, quando garota, eram eles que batiam no chão quando não gostava de algo!

Não gostar de alguém é perda de tempo energia, já não gostar dos próprios pés... hum, isso pode levar ao desequilíbrio.

Mude essa relação com eles, comece a olhar pros dois com outros olhos, afinal você só te esses dois e eles, aqui ou Ali, ficarão com você pra todo e sempre!

Converse com eles, pra resolver todos os problemas e sanar quaisquer dúvidas que hajam nessa relação. Ouça o que tem a dizer cada dedo, até o dedinho e o dedão.

Das mãos sei que gosta e o que são elas e os pés,, hum, diga! São gêmeas idênticas, separadas no nascimento, tem mais pontos em comum do que se pode imaginar até os acupuntores sabem disso.

Aposto que gosta de sapatos, que desfila por Floripa pé ante pé, sinuosa e a(pé)gada as suas posições e crenças, e, não falo de crenças religiosas.

Chame-os pelos nomes, ou batize cada um dos pododáctilos.

Não batizamos ou nos batizam outras partes do corpo, então os batize, crie uma intimidade maior, adote-os com o coração e alma!

-O primeiro pododáctilo ou hálux (dedo grande do pé) dedo o maior e mais grosso, você pode chamar, quem sabe de, buchudão, por ser ele o mais gordo dos dedos, mesmo comparado ao polegares das mãos.

- Já o segundo pododáctilo, aquele mais magro que o primeiro e afastado pode ser o descolado, porque ele fica mais afastado do hálux e mais colado nos outros. Isso se ele for menor que o dedão, se Le for maior, pode batizar de mandão (deve saber por que).

- O terceiro e o quarto pododáctilos pode chamar de anelares e usar anéis neles, pra dar um brilho...

-Já o quinto e último, que a cada geração vai diminuindo até que um dia sumirá, eu chamaria de little fat curioso, o danado além de gordinho, fica sempre com a cabeça virada pro lado!

Talvez decorando-os se sinta melhor com os pobrezinhos tão desprezados por você, use e abuse de cores fortes nas unhas, talvez uns anéis nos dedos, uma pulseira no tornozelo, uma tatuagem significativa... Assim terão mais cor e vida, eles gostam disso, dedique um dia pelo menos no mês a um pedicure, sempre passe um creme acariciando-os e massageando-os em toda a extensão e entre os dedos (pododáctilos), aqui e Ali , um banho de óleos ou pétalas de flores, pois duvido que eles, Ali, não gostem disso!

Conhece aquele ditado, quem com pé te fere, com chute será ferido?

E lembre-se que é costume associar o tamanho dos pés ao tamanho d’Ali…